Fale conosco: Icone E-mail Icone Telefone Icone WhatsApp
X

Artigos

Tenho Nódulo de Tireóide! E aí?

Uma grande preocupação que se nota nos consultórios é a quantidade de pacientes que apresentam nódulos de tireóide. Mas e aí? O que fazer? Qual diferença entre bócio, cisto e nódulo? Quem devemos procurar para elucidação do caso?

O que se sabe hoje é que 50 % da população tem nódulo na tireóide. Porém, clinicamente relevantes, ou seja, maiores do que 1 cm, 4 a 7 % das mulheres e 1 % dos homens, e nesses casos costumam ser palpáveis no exame físico e de maioria benignos (90%). Um grupo diferenciado são as crianças, mais raras de serem acometidas e com maior chance de câncer (ao redor de 25%).
A diferença entre bócio, nódulo e cisto é que o primeiro consiste no aumento da tireóide, nódulo seria uma massa dentro da tireóide e o cisto área composta por líquido. Lembrar que alguns podem ter um aumento da glândula (bócio) por apresentarem vários nódulos (bócio multinodular).

Os exames de eleição para diagnóstico e avaliação do nódulo de tireóide são o ultrasson e exame de sangue dosando o hormônio TSH. Não é aconselhado ultrasson como exame de rotina e sim apenas como complementação do exame físico. A punção no nódulo só está indicada por características específicas descritas pelo usg associado a alguns indícios como história de um parente de 1° grau com câncer de tireóide, tratamento prévio com radiação no pescoço, crescimento rápido, rouquidão e presença de adenomegalia (“ingua”).

O nódulo de tireóide é uma condição em sua grande maioria, benigna, mas que requer atenção. Nos casos de câncer a chance de cura é bem elevada e não gera grandes preocupações. O profissional mais indicacado para avaliação de nódulos de tireóide é o endocrinologista.

 

Dr. Hanna Fouad Saghié

Tags: