Fale conosco: Icone E-mail Icone Telefone Icone WhatsApp
X

Artigos

Orientação aos Pacientes com Rinite Alérgica

A rinite alérgica é um problema de origem hereditária, ou seja, transmitida geneticamente. Algumas pessoas ao herdarem dos pais certas características genéticas ficam sujeitas a desenvolverem vários tipos de alergia, como: rinite alérgica, urticária, alergia a medicamentos, dermatites de contato, eczemas etc. Essas pessoas são denominadas atópicas.

A intensidade da reação alérgica é variável de pessoa para pessoa e isso se deve ao grau de herança genética que ela herdou.

Os elementos do meio ambiente que desencadeiam a crise alérgica são denominados  alergênicos.

Ao entrar em contato com os alergênicos, o organismo reconhece-o como agente agressor e desenvolve uma reação antígeno-anticorpo, sendo liberadas nos tecidos, substâncias responsáveis pelos sintomas da alergia. Entre estas substâncias está, principalmente, a HISTAMINA, que provoca uma reação inflamatória muito forte, levando a prurido (coceira), hiperemia (vermelhidão), edema (inchaço), espirros e coriza. Portanto, é fundamental que as pessoas alérgicas evitem contato com os elementos que, para elas, são desencadeantes de crise alérgica.

Normalmente no tratamento são utilizados medicamentos anti-histamínicos que bloqueiam a ação da histamina, e consequentemente, os sintomas da crise alérgica. Eventualmente, poderá ser realizado tratamento com vacinas, onde a finalidade é fazer com que o organismo passe a não reconhecer os alergênicos como agentes agressores. Evidentemente que modificar uma resposta imunológica não é fácil, o que torna muitas vezes esses tratamentos ineficazes.

No Brasil, os alergênicos mais frequentes são os Dermatofagóides (carrapatinhos microscópicos), existentes em todos os ambientes. Em residências com carpetes, as populações desses seres microscópicos são infinitamente maiores. Casas bem arejada, com maior facilidade de limpeza, e, com boa insolação apresentam uma menor população de Dermatofagóides, portanto, são melhores para os alérgicos viverem.

O fator emocional é agravante das crises alérgicas. Pacientes com maior estabilidade emocional, que praticam esportes e vivem menos estressados, com certeza desenvolverão menos crises alérgicas.

Existem algumas situações que favorecem um menor contato com alergênicos, e, portanto, diminuem as reações alérgicas, como:

  • Limpar diariamente toda a residência, sobretudo os locais onde a pessoa passa mais horas do dia. O quarto do alérgico deve ser limpo com muito cuidado; deve ser de fácil limpeza, não possuir muitos objetos onde possa haver acúmulo de pó. Deve sempre ser passado pano úmido, pois diminui a população de Dermatofagóides.
  • Em limpezas onde haverá contato com muito pó, a pessoa deverá amarrar um pano úmido na face ou usar máscara.
  • Evitar entrar em locais fechados há muito tempo ou onde a higiene é precária.
  • Evitar usar cobertores com pelos (mesmos os ditos antialérgicos) substitui-los por colchas ou edredons. Os travesseiros devem ser de espuma inteiriça de preferência usada com duas fronhas.
  • Fundamental uma vida saudável, com prática frequente de esportes, menos stress e evitar fumar.
  • Os inseticidas devem ser evitados, mesmos o elétrico, que apesar de não terem cheiro, tem o princípio ativo.
  • Todos os produtos com cheiros fortes devem ser evitados, desde que a pessoa note que o produto lhe causa irritação.
  • Procurar usar tecidos que não soltem pelos ou acumulem pó.
  • Aula de natação para o alérgico é uma atividade polêmica, pois ao mesmo tempo em que pode ser benéfica, devido à atividade física, pode ser um fator desencadeante de crise alérgica. O bom senso deve ser seguido.
  • No combate aos fungos (mofo ou bolor) pode ser usada uma solução de ácido fênico a 5%, facilmente adquirido em farmácias de manipulação, que diluído em água pode ser aplicado nos locais de proliferação desses microrganismos.

Autor: Dr. Fernando Henrique Fávaro

Tags: